Temas ILCN

Nesta secção abordamos alguns assuntos muito variados, mas que lhe poderão interessar.

Para o esclarecimento de qualquer dúvida, ou para sugerir outros temas que gostasse de ver abordados, 
entre em contacto connosco, por favor.

Acupunctura

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e textoA Medicina Chinesa é uma medicina ancestral, com mais de 4 mil anos de existência que se propõe analisar o indivíduo com base no diagnóstico diferencial em MTC (Medicina Tradicional Chinesa) e suas bases teóricas.
Tanto o diagnóstico como o tratamento são especialmente direccionados a cada paciente; o terapeuta não trata sintomas mas sim a condição patológica do doente, tendo sempre presente as suas principais queixas, necessidades físicas e psicológicas.
O principal objectivo está em definir qual a raiz/origem do problema, com o propósito de eliminar os sintomas associados restabelecendo assim um estado de equilíbrio promovendo a saúde e o bem estar.
Marque a sua consulta.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Reflexo Babinski

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

Sabia que…
O reflexo de Babinski desenvolve-se logo após o nascimento e permanece ativo até aos 1-2 anos.
Se, ao tocar ao longo da parte lateral externa da planta do pé, desde o calcanhar até ao dedo mindinho, o hálux entrar em extensão e os outros dedos se espalharem, então o reflexo ainda está ativo.

Este reflexo desempenha um papel muito importante na(o):
-Preparação dos pés para andar;
-Capacidade dos pés se moverem;
-Maturação da coordenação entre pernas, ancas e coluna lombar;
-Desenvolvimento do tónus muscular na parte inferior do corpo.

Se o reflexo se desenvolveu, mas ainda não está integrado, a criança pode ter:
-Tendência para andar com a parte externa do pé e com as ancas rodadas para fora;
-Os sapatos mais desgastados na parte externa;
-À medida que crescem desenvolvem tensão nos pés e pernas.

No ILCN dispomos de uma equipa especializada, com formação em “Rhythmic Movement Training” capaz de avaliar e intervir na integração deste reflexo.


Psicomotricidade

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e textoPsicomotricidade, o que é?
A psicomotricidade visa estudar as relações e influências entre o psiquismo e a motricidade. Baseada numa visão global do ser humano, integra as funções cognitivas, simbólicas, psicolinguísticas e motoras, promovendo a intencionalidade do gesto. O seu principal objetivo está centrado na promoção da capacidade do individuo agir com o outro, com os objetos e consigo mesmo.
A Psicomotricidade consiste numa reeducação ou numa terapia de mediação corporal e expressiva, na qual o psicomotricista estuda e compensa condutas motoras inadequadas e inadaptadas, em diversas situações, geralmente ligadas a problemas de comportamento, desenvolvimento, maturação psicomotora, aprendizagem e de âmbito psico-afectivo. 
Os Psicomotricistas podem exercer a sua atividade profissional no âmbito terapêutico, reabilitativo, reeducativo e/ou preventivo, nas mais diversas situações ligadas a problemas de desenvolvimento e de maturação psicomotora, de comportamento, de aprendizagem e de âmbito psico-afectivo.
A Intervenção Psicomotora destina-se a todos os grupos etários e utiliza diversas metodologias: técnicas de relaxação e consciência corporal, terapias expressivas, atividades lúdicas, atividades de recreação terapêutica, atividade motora adaptada e atividades de consciencialização motora, associando sempre a atividade representativa e simbólica. Para além de ter em conta a modificação das áreas que comprometem a aprendizagem, também deve ter em consideração a organização cerebral. 
Deste modo, a intervenção do psicomotricista deverá atuar ao nível dos diversos Fatores Psicomotores, aos quais correspondem substratos anatómicos que dizem respeito às funções inerentes das atividades complexas, compreendidas no funcionamento psíquico e expressas pela motricidade. Sendo eles: Tonicidade, Equilíbrio, Lateralidade, Noção Corporal, Estruturação Espácio-Temporal, Praxia Global e Praxia Fina. 
De março a setembro, a Equipa do ILCN irá partilhar consigo as especificidades de cada factor, dedicando um mês a cada um.

Indicado para: 

• Atraso do Desenvolvimento Psicomotor;
• Perturbação da Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA); 
• Perturbações do Espetro Autista (PEA); 
• Dificuldades de Aprendizagem (DA – dislexia, disgrafia, discalculia e disortografia);
• Alzheimer;
• Parkinson;
• Esclerose Múltipla;
• Paralisia Cerebral (PC);
• Acidente Vascular Cerebral (AVC);
• Traumatismo Crânio Encefálico (TCE);
• Ataxia
• Síndrome de Down;
• Pessoas portadoras de necessidades especiais; 
• Perturbações do comportamento;
• Crianças em fase de desenvolvimento; 
• Dificuldades motoras globais;
• Défice cognitivo;
• entre outras patologias.

 

Polineuropatia

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e textoA polineuropatia é um termo que inclui todas as doenças inflamatórias e degenerativas do sistema nervoso periférico. Os principais aspetos apresentados incluem as alterações sensoriais amplas e motoras dos nervos periféricos. 
Esta patologia é normalmente observada em indivíduos jovens ou de idade média, sendo mais frequente no sexo masculino.

O quadro clínico da neuropatia periférica inclui a paralisia dos motoneurónios inferiores, especialmente nos membros, sendo os inferiores mais afetados do que os superiores.

O paciente é portador de atrofia, paralisia muscular flácida, fraqueza e ataxia. Queixa-se normalmente de incapacidade para a marcha sobre piso áspero (tropeça e por vezes cai). Nos membros superiores, o paciente apresenta dificuldade no manuseio de moedas, fósforos e pode deixar cair objetos.

Nos casos mais graves de neuropatia, a lesão do miocárdio poderá estar associada.

O ILCN dispõe de uma equipa especializada, que após avaliação do paciente implementa programas de intervenção direcionados para os défices apresentados pelo paciente, com o objetivo de melhorar a sua qualidade de vida e impedir o agravamento do quadro clínico. 
Para mais informações entre em contacto connosco.


Estimulação Cognitiva e o Défice Cognitivo Ligeiro

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e textoO Défice Cognitivo Ligeiro (DCL) é considerado um estado transitório entre o envelhecimento normal e o aparecimento de uma Demência. Este caracteriza-se por uma perda de capacidades cognitivas superior ao que é esperado para a idade da pessoa, mas sem que esta interfira significativamente nas atividades de vida diárias.
Por outro lado, a Demência caracteriza-se por um declínio cognitivo mais grave, na qual a pessoa vai progressivamente perdendo a sua funcionalidade e autonomia nas atividades de vida diárias.

Atualmente, existem estratégias de tratamento para o declínio cognitivo alternativas à medicação, nomeadamente, a Estimulação Cognitiva (EC). A EC tem-se mostrado uma excelente intervenção no combate ao declínio cognitivo, cujo objetivo nestes pacientes é impedir um declínio acentuado do desempenho cognitivo da pessoa e, consequentemente, a perda da sua funcionalidade e autonomia nas atividades de vida diárias - isto é, a evolução para um processo Demencial. 
A EC baseia-se no princípio da neuroplasticidade assegurando a adaptação e remodelação das redes neuronais, objetivando restaurar ou melhorar as funções que se encontrem comprometidas. Também a estimulação cerebral não-invasiva, nomeadamente, a estimulação transcraniana com corrente contínua (conhecida como TDCS) tem demonstrado eficácia no aumento das habilidades inteletuais. Vários estudos têm demonstrado que o uso do TDCS melhora as habilidades de linguagem, matemática, atenção, resolução de problemas, memória e coordenação.

No ILCN dispomos de uma equipa especializada em Neuropsicologia para avaliação/detecção do DCL e implementação de programas específicos de Estimulação Cognitiva. 
Dispomos ainda de Estimulação Transcraniana com Corrente Contínua.


Síndrome de Rett

Identifica alguns destes sintomas?A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

Esta síndrome consiste numa perturbação grave do neurodesenvolvimento que conduz a severas limitações funcionais associadas a sintomas motores progressivos. Uma das principais características da Síndrome de Rett consiste no desenvolvimento de múltiplos défices específicos após um período de funcionamento normal durante os primeiros meses de vida. Durante os primeiros 6 meses de vida, as crianças apresentam um desenvolvimento aparentemente normal, ao qual se segue uma perda de competências. A regressão envolve especificamente as capacidades psicomotoras (com perda significativa de aquisições motoras) associada a estereotipias das mãos (por ex. gestos como torcer ou lavar as mãos) e a outras manifestações comportamentais específicas. Estas estereotipias manuais com perda de funcionalidade, intensas e por vezes contínuas, constituem outra das principais “marcas” da Síndrome de Rett. Surge também uma ataxia de tronco, o que significa que quando está sentada e sem apoio, a criança pode apresentar um movimento de balanço e de instabilidade do tronco. O interesse pelo ambiente social diminui nos primeiros anos após o início da Síndrome. Existe um severo prejuízo no desenvolvimento da linguagem expressiva ou recetiva. Surgem défices cognitivos graves, a par de uma expressão linguística pobre (a criança pode utilizar com frequência os olhos para apontar para as coisas que quer, ou para expressar determinadas emoções). O perímetro craniano é normal ao nascimento, no entanto, verifica-se uma desaceleração do crescimento craniano podendo evoluir para microcefalia. Esta microcefalia adquirida é considerada como outra das características mais significativas da Síndrome de Rett.

Se detetou alguns destes sinais/sintomas no seu filho, deverá confirmar a suspeita de Perturbação do Neurodesenvolvimento através de uma avaliação das funções cognitivas e sensoriais afetadas para traçar uma intervenção eficaz.

No ILCN dispomos de uma Equipa Multidisciplinar especializada para avaliação das diferentes áreas do desenvolvimento e definição de um plano de intervenção adequado às limitações da criança, promovendo o desenvolvimento das competências motoras, a estimulação cognitiva e o desenvolvimento das capacidades comunicativas e sócio-afetivas.


Afasia

A imagem pode conter: 1 pessoa, textoA Afasia é uma perturbação adquirida da linguagem, resultante de uma lesão cerebral que pode comprometer vários aspectos da comunicação. Tem como causa mais comum o Acidente Vascular Cerebral (AVC). A perturbação linguística na pessoa com Afasia conduz a uma limitação evidente da comunicação do que pensa, necessita, sente, ou seja, do seu próprio eu.
O terapeuta da fala actua no sentido de recuperar o acesso ao discurso linguístico, através da selecção de técnicas e estratégias adequadas para o caso.
• Facilitar o ajuste da pessoa às mudanças nas suas competências comunicativas;
• Investigar os efeitos dos défices da pessoa com afasia em todo o sistema de linguagem;
• Minimizar os défices linguísticos existentes;
• Aumentar o uso de todos os meios potenciais para a comunicação, de forma a apoiar, facilitar e compensar dificuldades linguísticas;
• Promover oportunidades para que a pessoa use as capacidades comunicativas em situações e contextos comunicativos;
• Fornecer estratégias, à pessoa e à sua família, para melhorar o processo comunicativo.

 

 


Autismo e a Passagem de Ano

A imagem pode conter: fogo-de-artifício, noite e texto

Tal como o Natal, as festas de passagem de ano poderão ser um momento de muitos estímulos sensoriais visuais e auditivos que podem perturbar a criança com autismo, quer pelos fogos de artifício, pelas multidões das festas ou pela música. Não é estranho ouvir pais de crianças com autismo dizerem que tiveram de sair à pressa durante a comemoração da passagem de ano devido ao barulho dos fogos de artificio ou por causa do aglomerado de pessoas.
Por esses motivos, deixamos algumas dicas de como tornar a passagem de ano mais agradável para os pais e filhos com autismo.
1) Faça os planos com o seu filho. Se ele tiver boa compreensão, explique o que vai acontecer nessa noite, a que horas vai acontecer cada atividade, com quem vai estar e o que são os fogos de artifício. Não esqueça de dizer que são seguros, lindos no céu e que é divertido ver. 
3) Mostre vídeos de fogos de artifício. Pode usar o Youtube para mostrar vídeos de fogos de anos anteriores. Assim, a criança poderá ambientar-se mais com o estímulo, num ambiente mais controlado por si. Enfatize sempre que são bonitos e seguros.
4) Desenhe o fogo de artifício. Explore com a criança usando desenhos com tintas em cartolina ou folhas pretas. Isto poderá ser mais semelhante à aparência real e auxiliar a criança a familiarizar-se. 
5) Habitue a criança ao uso de auscultadores, se necessário. Este uso deve ser antecipado em casa, caso verifique que a criança rejeita mesmo algum estímulo sonoro do fogo de artifício. Deve ser gradual e pode ser associado à visualização de vídeos no tablet ou telemóvel por exemplo. Isto possibilita um refúgio para a criança na noite de passagem de ano, dando-lhe conforto e segurança.
6) Fique distante do fogo de artifício. Lembre-se de que não precisa ficar na “linha da frente” para ter boa visibilidade. 
7) Leve uma “mala de auxílio”, com brinquedos preferidos para usar em situações de maior stress e que deixem a criança calma. 
8) Brinque com sparkles de aniversário, bombas de papéis coloridos, confetis e serpentinas! Propicie oportunidades para que seu filho brinque e se divirta de forma segura, acostumando-o ao som, cheiros e cores característicos da noite de passagem de ano.
9) Tente passar a noite de ano novo com outras crianças. Isto pode ser benéfico para ambas, além do seu filho ter alguém para brincar pode usar a criança como modelo de comportamento a seguir.
10) E… Divirta-se! Não mostre a sua preocupação, brinque com o seu filho e mostre que a passagem de ano é um dia de celebração! Portanto, divirta-se muito!

 

A Equipa do ILCN deseja a todos uma Óptima Passagem de Ano.

 

 


Autismo e o Natal

 
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, árvore de Natal e textoVem aí o Natal e o meu filho tem Autismo. E agora?
Para a maioria das crianças as festividades de Natal são motivo de alegria, mas para crianças com autismo pode ser um período confuso. Podem sentir-se perturbados por todas as novas atividades em casa no Natal, quer pela mudança da rotina, pela sobrecarga sensorial, por visitarem outros locais ou por verem novos rostos de familiares.
Tendo em conta estas preocupações, e seguindo as ideias chave de ANTECIPAR e PREPARAR que deixamos algumas dicas de como ajudar a criança com autismo a lidar com esta época da melhor forma. 
- Se a criança seguir um calendário assinale com antecedência a vinda do Natal, bem como a pausa na ida à escola;
- Verifique se na escola já iniciaram os trabalhos sobre o Natal e, se conseguir, introduza também alguns trabalhos em casa;
- Inclua a criança nos processos relacionados com o Natal (p.e. comprar a árvore e decorações, pedir ajuda para decorar a árvore). Isso ajuda a tornar a criança familiarizada com os itens.
- Crie um quadro onde cole 
fotos de artigos relacionados com o Natal, por exemplo decorações ou alimentos típicos, bem como fotos de familiares com quem a criança não conviva de forma frequente. Esta estratégia pode ter de ser usada dias ou semanas antes para poder ajudar com que a criança os aceite com mais facilidade;
- Se for passar o Natal em casa de familiares estranhos, crie uma “Mala de Auxílio”, com livros, aplicações no tablet, músicas que a criança goste para facilmente conseguir acalmar a criança em situações de maior stress;
- Garanta a existência de um “espaço seguro” na sua casa ou na de familiares, para onde a criança no Natal possa ir em situações de maior stress. O uso de uma tenda infantil pode ser uma boa estratégia em locais com pouco espaço. E muito importante: esteja atento ao momento mais indicado para levar a criança a esse local;
- Garanta que mantém as âncoras da rotina da criança durante o Natal, mantendo os horários das refeições ou da hora de dormir. Isto ajuda a sentirem-se mais seguros.
- Tenha atenção ao elemento surpresa das prendas de Natal, aconselhando os brinquedos mais adequados a dar ao seu filho;
 
 
 
 

A prenda para a criança com Autismo

 
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e closeupComprar presentes para uma criança com autismo pode não ser uma tarefa fácil, porque oferecer presentes tradicionais raramente é a escolha acertada.
As crianças com autismo diferem muito, logo generalizar nem sempre é útil. Por isso apresentamos várias ideias de presentes, mas lembramos: cada criança é única e devemos respeitar as suas características individuais!
- Ofereça caleidoscópios, piões luminosos, chuva de fibras óticas ou colunas de água com borbulhas, que são altamente atrativos visualmente;
- Prefira oferecer brinquedos relaxantes 
como projetores de imagens ou lâmpadas/candeeiros com variação na cor para o quarto da criança;
- Pode também optar por oferecer auscultadores por Bluetooth. O facto de não terem fios auxilia a criança a não se distrair com esse estímulo, podendo ser uma ferramenta útil para acalmar a criança em qualquer local;
- Peluches com aromas! Há crianças que adoram estimular o seu olfato, e esta pode ser uma ótima forma de redirecionar esse comportamento;
- Um tablet! Esta prenda mais dispendiosa deve ser muito bem ponderada, permitindo que a criança use de acordo com as suas necessidades – pode ser para ver vídeos, ouvir músicas ou jogar jogos, se possível sempre educativos!
- Ofereça um trampolim pequeno, mas não se esqueça da segurança e supervisão. O estímulo vestibular combinado com o propriocetivo pode ser ótimo para a criança gastar energia. Mas não se esqueça: cada criança é única e pode não gostar deste estímulo;
- Pode oferecer brinquedos sensoriais táteis: como areia mágica, bolas esponjosas, slimes, almofadas sensoriais. Tenha atenção à forma como a criança explora estes brinquedos e se tem tendência a levar à boca.
- Se tiver espaço exterior, pode equipar o jardim com um baloiço. O estímulo vestibular é normalmente muito relaxante para as crianças com autismo.
 
 
 
 
 
 
 

Reflexos Primitivos Infantis

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto
 

Sabia que…
A atividade motora do recém-nascido é controlada por reflexos primitivos.

Quando o bebé faz os seus movimentos rítmicos espontaneamente, os reflexos primitivos são inibidos e os reflexos posturais são desenvolvidos. No início estes movimentos são desajeitados, mas depois de alguma prática tornam-se mais refinados, até que o bebé muda para outro movimento.

Quando o bebé aprende a fazer um movimento específico de uma forma exata, significa que o reflexo primitivo relacionado com este movimento geralmente foi integrado.
Se o bebé é incapaz de inibir os reflexos primitivos, com o tempo estes irão:
- Atrasar o desenvolvimento motor;
- Dificultar a maturação cerebral.

No ILCN dispomos de uma equipa especializada, com formação em “Rhythmic Movement Training” capaz de avaliar e intervir precocemente.


Lesões Vertebro-Medulares

 

 

Em que pode o ILCN ser-lhe útil?

 

A equipa do ILCN através de uma abordagem completa e multidisciplinar pode proporcionar-lhe um tratamento de reabilitação intensivo e diferenciado. Contamos com uma equipa de profissionais de saúde altamente especializados na aplicação de tratamentos de reabilitação. A abordagem centra-se no paciente e no seu núcleo familiar, na aplicação de programas intensivos e tecnologicamente avançados, tendo por objetivo melhorar a sua independência e qualidade de vida.

 

 

 

 

 

 

 


O que é o Transtorno de Oposição e Desafio?

  • A desobediência pode ser uma característica comum entre crianças e pré-adolescentes, mas quando a atitude de teimosia é excessiva é preciso estar atento a um possível Transtorno de Oposição e Desafio (TOD). O TOD é caracterizado por uma atitude reiterada de teimosia, postura desafiadora e comportamento hóstil. Este é um quadro que pode afetar crianças e pré-adolescentes, geralmente em idade escolar. Ainda não existem causas genéticas comprovadas que possam levar ao desenvolvimento do TOD, mas sabe-se que o ambiente em que a criança convive pode estimular o comportamento difícil. 
  •  
  • O não tratamento deste transtorno pode trazer consequências como:
  • - Prejuízos na vida social da criança, uma vez que a forte teimosia e os acessos de raiva afastam as outras crianças;
  • - Baixo desempenho escolar, porque a criança tem tendência a querer solucionar os problemas sozinha e tem dificuldade para pedir ajuda ao professor;
  • - Desenvolvimento de Transtornos de Conduta na adolescência.
  •  
  • Assim como outras patologias, é importante que os pais procurem diagnosticar este transtorno o quanto antes para evitar que ele traga complicações e prejudique a vida social e o desenvolvimento intelectual da criança, garantindo que a criança tenha uma infância saudável. As técnicas de modificação de comportamento procuram reforçar atitudes positivas e afastar padrões negativos.
  •  
  • No ILCN dispomos de uma equipa especializada para a intervenção deste transtorno, nomeadamente Neuropsicólogos e Terapeutas Ocupacionais.
 

Plexo Braquial - o que é?

    •  
    •  
    O plexo braquial é um conjunto de raízes nervosas, que se origina na medula espinhal na região do pescoço, passa por baixo da clavícula até à axila, onde origina cinco nervos que vão controlar os movimentos e a sensibilidade do ombro, braço, antebraço e mão. 
  •  
  • As lesões do plexo braquial podem ser traumáticas ou não traumáticas. Em alguns casos pode haver recuperação espontânea do movimento mas muitas vezes a cirurgia é indicada.
  •  
  • As lesões do plexo braquial em geral afetam tanto as funções motoras como as funções sensitivas no membro superior lesado, ou seja, comprometem tanto a sensibilidade como a força muscular. Dependendo da gravidade e da extensão da lesão pode ocorrer uma paralisia parcial ou completa do plexo braquial.
  •  
  • O ILCN dispõe de uma equipa especializada, que após avaliação do paciente, implementa programas de intervenção direcionados para os défices apresentados, com o objetivo de promover a independência e melhorar a sua qualidade de vida. 
  •  
  • Para mais informações, entre em contacto connosco.
  •  
 

Atraso do Neurodesenvolvimento - Quais os sinais de alerta?

  • Conforme as crianças vão 
  • crescendo é natural que surjam as comparações e que os pais se preocupem se o seu filho está 
  •  
  • a ter um desenvolvimento dentro do esperado para a sua idade. 
  • Questões como “Será qu
  • e com esta idade o meu filho já não deveria gatinhar?” ou "A filha da minha amiga já fala várias palavras, por que será que o meu filho ainda não fala?" são questões muito frequentes e que preocupam os pais. 
  •  
  • A questão é que cada criança tem um ritmo diferente de desenvolvimento e muitas vezes é difícil separar o que é simplesmente uma particularidade do que é um verdadeiro atraso no desenvolvimento que exija preocupação.
  • O termo “atraso do desenvolvimento" é usado quando uma criança não atinge alguns dos marcos do desenvolvimento 
  •  
  • expectáveis para a idade, mesmo já levando em consideração as variações individuais. 
  •  
  • O atraso pode ocorrer numa ou mais das seguintes áreas:
  • Atraso do desenvolvimento motor (habilidades motoras como rolar, segurar a cabeça, gatinhar, sentar e andar);
  • Motricidade fina (capacidade de segurar coisas, manipular objetos, ….);
  •  Atraso na aquisição da linguagem (tanto na expressão como na compreensão);
  •  Comportamento e Habilidades sociais (Autonomia como vestir-se ou comer; relacionamento com os outros, como contacto ocular, sorrir em resposta ao outro,…).
  •  
  • A observação dos pais e das pessoas que mais convivem com a criança é a melhor forma de identificar possíveis atrasos.
  • Caso seja identificado algum problema, intervenções médicas e terapias específicas ajudam a reduzir eventuais prejuízos futuros e a estimular o desenvolvimento adequado.
  •  
  • O ILCN dispõe de uma Equipa multidisciplinar especializada na intervenção em crianças com atraso do neurodesenvolvimento.
  • Contacte-nos para obter mais informações.

Hipotonicidade

Hipotonia é a diminuição do tónus e da força muscular, o que causa fraqueza e flacidez. O sintoma é comumente relacionado ao Síndrome de Down, à Paralisia Cerebral ou a outras desordens neuromusculares. Normalmente a hipotonia é diagnosticada no nascimento ou durante a infância. Ao nascer, o bebé pode parecer flácido ou não ter a capacidade de se manter de joelhos e cotovelos fletidos. A criança pode ainda apresentar dificuldades em se alimentar e realizar outras atividades motoras.
Em crianças que nascem com o sintoma, mas não tem nenhuma doença relacionada, ela é chamada de hipotonia congénita benigna.
Em todos estes casos, é necessário beneficiar de estimulação ao nível da terapia da fala, terapia ocupacional, psicomotricidade e fisioterapia, para ajudar no ganho do tónus muscular e ajudar no desenvolvimento.
A hipotonia, apesar de ser mais comum em crianças, pode surgir em qualquer idade, dependendo da causa.
Os sintomas para crianças com hipotonia incluem:
• Falta de controlo parcial ou total da cabeça;
• Atraso no desenvolvimento motor global;
• Dificuldades na motricidade fina;
• Reflexos pobres;
• Hiperflexibilidade;
• Dificuldades de fala;
• Diminuição da resistência às atividades;
• Postura debilitada;
• Pés chatos;

No ILCN, o tratamento de casos de hipotonia ocorre de forma holística e por uma equipa multidisciplinar especializada. Inicialmente é realizada uma avaliação individualizada e pormenorizada, com o objetivo de verificar os défices do utente e, posteriormente traçado o plano de intervenção mais adequado.

 


Ombro Hemiplégico

Dependendo do nível de lesão vertebro medular, os pacientes poderão apresentar falta de mobilidade ao nível dos membros superiores.


Neste sentido, poderão apresentar ombro hemiplégico necessitando de fortalecer a musculatura ao nível dos principais músculos estabilizadores do ombro.


Desta forma, a equipa do ILCN recorre à Estimulação Elétrica Funcional no sentido de estimular a musculatura envolvente.


Hábitos saudáveis

A alimentação tem um papel fundamental na sua qualidade de vida.

Por isso, é importante adotar algumas regras e hábitos alimentares mais saudáveis durante as suas refeições.

Pequenas alterações podem fazer toda a diferença no seu bem estar.


O ILCN ajuda-o a conseguir!


Engasgamento

Perante uma vítima consciente, que não consegue tossir e falar e demonstra aflição e ansiedade, devemos atuar da seguinte forma:

Cinco pancadas interescapulares:

1- Colocar-se ao lado da vítima e ligeiramente por trás, com uma mão ao nível do tórax, mantendo-a inclinada para a frente permitindo que o corpo estranho seja expelido livremente pela boca;
2- Aplicar até 5 pancadas interescapulares (usando a parte inferior da sua mão para dar as pancadas entre as omoplatas da vítima);
3- Após cada pancada, efetuada com força adequada, deve verificar se a obstrução foi ou não resolvida, aplicando até 5 pancadas no total.

Manobra de Heimlich (compressões abdominais):

1- Colocar-se por trás da vítima, com as pernas separadas em forma de tripé (evitando a queda da vítima caso desmaie) e os seus braços à volta da pessoa ao nível da cintura;
2- Fechar uma das mãos em punho com o polegar encostado ao abdómen da vítima na linha média entre o umbigo e o apêndice xifoide;
3- Envolver a mão fechada com a outra mão e efetuar um movimento rápido e vigoroso (cada compressão separada da anterior) para dentro e para cima na direção do reanimador;
4- Vigiar sempre se ocorre ou não desobstrução e também o estado de consciência da vítima.

Repetir alternadamente 5 pancadas interescapulares e 5 compressões abdominais até desobstrução. Caso a vítima fique inconsciente, ligue 112 e inicie Suporte Básico de Vida.

 


Fibromialgia

A Equipa do ILCN chama a atenção para esta doença que, ao longo dos anos tem vindo a progredir, sem causas conhecidas, afetando predominantemente o sexo feminino, acabando por limitar o dia a dia dos seus portadores.

O sintoma predominante da fibromialgia é a dor muscular que, pode variar em intensidade e até mesmo desaparecer e reaparecer de forma esporádica, consoante a hora e o dia, os níveis de stress e ansiedade ou as mudanças de temperatura.

Surge, na maior parte dos casos, de forma generalizada mas, centra-se posteriormente em regiões específicas, como pescoço ou região lombar, assemelhando-se a um ardor intens
o e muitas vezes debilitante. Contudo, a dor muscular não é o único sintoma, podendo fazer-se acompanhar de sintomas como:

o Perturbações de sono;
o Fadiga constante;
o Dificuldades de concentração;
o Falta de memória;

o Dores de cabeça;
o Espasmos musculares;
o Rigidez muscular;
o Formigueiros nos dedos das mãos e dos pés.

Importa ainda referir que, a fibromialgia é uma doença crónica invisível, sobre a qual a
inda há muito por descobrir. Não tem tratamento específico, nem é conhecida cura para a fibromialgia, assim como também ainda não existe nenhum fármaco específico para a doença. Existem, no entanto, medicamentos que podem ajudar a aliviar os sintomas, e tratamentos baseados em massagens localizadas nos pontos dolorosos, TENS (estimulação elétrica transcutânea nervosa) e técnicas de relaxamento. Deve ainda procurar adaptar o seu estilo de vida aos sintomas da doença.

o Evite o stress;
o Pratique exercício físico (com um programa adaptado às suas capacidades);

o Repouse o tempo necessário;
o Mantenha uma alimentação saudável e equilibrada.

A equipa ILCN poderá ajudá-lo a encontrar uma melhor qualidade de vida. Procure-nos!


— 20 Items per Page
A mostrar 1 - 20 de 34 resultados.

 

Exponha-nos o seu caso e teremos todo o gosto em aconselhar uma consulta para si ou para o seu familiar.

Ligar Clínica Norte     Ligar Clínica Tejo     Enviar e-mail

Encontre as nossas moradas, telefones, emails e formulário na nossa página de Contactos.